segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

MUSEU NA CHINA - MUSEUM IN CHINA

O escritório chinês MAD Architects revelou o projeto do Museu de Escultura de Madeira da China, em Harbin, na China. Com 200 metros de comprimento, o museu tem uma forma dinâmica que se assemelha a orvalho congelado. O projeto foi fortemente influenciado pelas paisagens do inverno local e tem o objetivo de ampliar o contraste entre a natureza e a velocidade da vida diária.
Internamente, a edificação tem dois grandes espaços de exposição. A circulação do museu flui ininterruptamente entre essas duas áreas, que são conectados por um hall central, formado pela parede curva que é aberta até as clarabóias no teto. As clarabóias, juntamente com as demais janelas e aberturas laterais, permitem que as galerias sejam iluminadas com luz natural.
O museu é um dos três edifícios culturais concebidos pelo MAD em Harbin. Além dele, o escritório deve entregar, até fevereiro de 2011, uma ópera e um centro cultural.

sábado, 29 de janeiro de 2011

MUSEU POROSO - POROUS MUSEUM

Projetado pelos arqs nova-iorquinos Diller Scofidio + Renfro, o novo museu da Grand Avenue, a principal avenida do centro de Los Angeles, nos EUA, vai abrigar o acervo da Broad Foundation, que conta com uma coleção de mais de duas mil obras de arte contemporânea. Mas, o que chama mais a atenção no novo museu, que vai dividir a rua com o famoso Walt Disney Concert Hall de Frank Gehry, é a sua cobertura, composta por uma espécie de tela porosa, apelidada de véu, que ajuda a aproveitar o máximo possível de luz natural. A estrutura da edificação é metálica, já a “pele” perfurada que a cobre é de concreto estrutural.
Orçado em 130 milhões de dólares, o museu de três andares terá papel central na reurbanização da Grand Avenue. Com 11,2 mil metros quadrados, o “The Broad” vai contar com estacionamento coberto, um auditório, galeria multimídia, lobby, loja, bar, café, além de arquivos e espaços de armazenamento.
Todo o segundo andar da edificação é ocupado pelo arquivo do museu, que, diferentemente da maioria dos museus, permanece em exposição. Já no terceiro andar, há uma grande galeria e um vão livre. Neste andar, tudo é iluminado pela luz natural, que se faz presente pelo exoesqueleto arejado e pelas clarabóias.
Os espaços em torno do museu serão paisagísticos e a praça pública servirá como um parque para a comunidade. Além disso, uma nova estação de metrô será localizada no local, facilitando o acesso ao museu por meio de transportes públicos.
A previsão para conclusão de todo o museu é de 2013

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

CRA -SANTA CATARINA

Os arqs Bruno Bonesso Vitorino, André Dias Dantas e Renato Dalla Marta, do Aum Arquitetos,foram os vencedores do concurso promovido pelo IAB-SC para a sede do CRA-SC-Conselho Regional de Administração de Santa Catarina.
Eles conceberam um projeto baseado na exploração da topografia, que se divide em duas partes: o embasamento, que contempla o auditório, plenária, câmaras e salas de cursos, e a torre, que abriga os escritórios. Ao todo, o prédio planejado para abrigar a entidade terá 6,3 mil metros quadrados de área construída e utilizará recursos sustentáveis.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Parque Temático NY - Theme Park NY

“Vertical Theme Park” ou Parque Vertical Temático, em português, é o nome do parque temático de diversões proposto pelo arq Ju-Hyun Kim para a cidade de Nova Iorque, nos EUA. O grande diferencial do parque de Kim é que ele ocuparia uma torre vertical no centro da cidade. Desta forma, o arquiteto pretende diminuir duas coisas: a área construída, que na maioria dos parques horizontais é imensa, e a emissão de carbono, já que grande parte dos parques de diversão ficam localizados fora das cidades e, para chegar até eles, as pessoas utilizam automóveis e até aviões. No parque metropolitano vertical de Kim, as pessoas poderiam chegar facilmente de metrô ou de ônibus!
Na torre, as atrações clássicas de um parque temático foram pensadas verticalmente. Assim, a montanha-russa, a montanha-russa aquática e o carrosel são verticais. De acordo com o programa, o parque contaria ainda com roda gigante e bungee jumping, além de um deck de observação, restaurantes, teatro e um centro de ciências. O parque ainda utilizaria alguns conceitos de sustentabilidade, como captação de enrgia solar, reciclagem de resíduos e recolhimento das águas pluviais.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

É PROIBIDO !! / IS PROHIBITED !!

No dia 24 de dezembro de 2010, o Diário Oficial do Estado de São Paulo publicou o Decreto nº 56.565. A partir dele, fica proibida a adoção de critérios como menor preço ou pregão para a contratação de serviços de arquitetura e engenharia pelo poder público de estado de São Paulo.
De acordo com o decreto, as novas regras para a aprovação e contratação de serviços de engenharia e arquitetura foram definidas, pois esses serviços são de natureza técnica, predominantemente intelectual, e, portanto não podem ser contratados por menor preço ou pregão.
Segundo o Sinaenco - Sindicato da Arquitetura e da Engenharia, essa decisão, tomada pelo então governador Alberto Goldman, trará para os contratos públicos garantia de obras e empreendimentos de qualidade, com menor custo, alta durabilidade e maior sustentabilidade.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

PARABÉNS SÃO PAULO : 457 ANOS



CONGRATULATIONS SAO PAULO: 457 YEARS

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Estádio em Marrocos - Stadium in Morocco

A seleção marroquina de futebol ganhará um novo estádio. O projeto foi escolhido a partir de um concurso vencido pelo escritório francês Scau, em parceria com o escritório marroquino Archi Design. A arena, chamada de Grande Stade de Casablanca, será construída dentro de uma pedreira desativada de 100 hectares.
Todo o estádio é fechado por lâminas de concreto perfuradas, que permitem a regulagem da temperatura interna porque filtram a iluminação e promovem a ventilação cruzada na área interior do estádio. A parte interna contará com jardins que auxiliarão na manutenção da temperatura.

O design das lâminas sugere a forma de um mineral lapidado. O estádio de forma circular terá aproximadamente 14,8 mil m² e não será coberto. A luz solar direta também será reduzida graças à orientação das lâminas de concreto.

O estádio com capacidade para 80 mil pessoas deverá estar finalizado até 2013. O acesso às arquibancadas será feito através de escadas no interior, que se relacionam com o jardim previsto pelos arquitetos.

domingo, 23 de janeiro de 2011

sábado, 22 de janeiro de 2011

A ÚLTIMA CASA - THE LAST HOUSE

Sandra Villela Polônia mora na Avenida Delfim Moreira, 558, em frente à praia do Leblon desde que nasceu, quando o lugar era um “bairro de pescadores”, como ela mesma define.
Algumas décadas depois, a região é a mais valorizada do Rio, mas Sandra e sua família resistem a seguidas ofertas milionárias pelas casas geminadas de dois andares, construídas pelo avô na década de 1930. São as últimas casas da praia do Leblon, cobiçadas por incorporadores para construir um prédio.
A construção é simples e não particularmente bela nem grande. Espremidas entre dois prédios, entre as ruas João Lira e José Linhares, as casas brancas e de janelas marrons formam um conjunto só, à primeira vista, embora tenham duas portas de entrada e duas garagens.


O terreno é de 326 m2, mas com a especulação imobiliária, dois especialistas de grandes incorporadoras – que pediram para não ser identificados – estimaram entre R$ 50 mil e R$ 60 mil o valor do m2 naquele trecho da Avenida Delfim Moreira. Isso equivaleria a um montante entre R$ 15 milhões e R$ 19,5 milhões pela área, que poderia ser usada para a construção de um edifício de até cinco andares mais cobertura, um apartamento por piso, de acordo com o gabarito autorizado ali.

A casa foi construída originalmente nos anos 1930 pelo avô de Sandra, um mineiro de Juiz de Fora que comprou o terreno no então areal do Leblon, fez a casa e depois voltou para a terra natal. Foi uma das primeiras do bairro, diz Sandra. “Ficamos, e o progresso chegando”, diz.

O imóvel, que conserva por fora a aparência original, fica a maior parte do tempo com as janelas fechadas, para evitar a entrada da maresia. As casas funcionam como um elo de ligação da família e serve de lar para três gerações. “Papai não quer vender. Ele e mamãe [filha do construtor] também não querem sair da casa. Somos de uma família mineira, reservada. Chegamos antes do ‘progresso’ do Leblon, quando ainda era um bairro de pescadores. Moro na casa desde que nasci e continuo morando”, afirmou.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Comunidade regenerada - Community regenerated

Projetado por Edward Cullinan Architects, do Grupo Hyde, em parceria com as empresas Real eINplace, uma filial do Grupo Hyde, o Stonebridge Hillside Hub é o componente final de um plano para regenerar a comunidade Stonebridge, localizada no bairro londrino de Brent. Os 1.775 apartamentos erguidos nos anos 1960 foram substituídos por 1.903 novos apartamentos (59% disponíveis para aluguel, 8% para uso compartilhado e 33% para a venda privada).
O Stonebridge é uma parte vital desta regeneração. Além de apartamentos, ele inclui unidades comerciais, estabelecimentos voltados para os cuidados com a saúde, um café, supermercado e um centro de comunidade popular.
Esta área do bairro londrino de Brent é densamente povoada, com vários bairros antigos e conjuntos habitacionais em declínio, com clara necessidade de renovação. A regeneração do local inclui melhorias nas habitações e instalações, reurbanização das ruas e criação de um espaço aberto valioso para a comunidade.

O conceito do Stonebridge foi desenvolvido depois de oficinas públicas e eventos da comunidade. Estes buscaram uma solução mais radical para a variedade de facilidades necessárias: residencial, serviço de saúde, comunidade e comercial. Unir tudo isso em um único edifício foi um desafio técnico para o desenho e equipes de projeto.
Há 25 apartamentos de propriedade compartilhados e 34 apartamentos privados. Stonebridge tem fortes sinais de sustentabilidade. Todos os apartamentos usam um sistema de ventilação de modo misto para proporcionar ventilação natural aos quartos. O centro comunitário usa água de chuva para o jardim e para lavar banheiros públicos, e tecnologia de aquecimento solar térmico.


O foco da fachada é o centro da comunidade com o seu telhado de zinco duplo curvado , enquadrado de ambos os lados por alas que contêm o centro de cuidado primário, café e supermercado. Interiormente, estas funções se diferenciam engrenam-se conforme o espaço para otimizar a área ocupada disponível; os usos diferentes são definidos por cor e fim.
No interior, as salas e os espaços comuns são inundados pela luz natural, revestidas com materiais quentes e robustos. As salas de consulta e atendimento médico são generosas e alinhadas em grupos simples para que as várias alas práticas possam maiores ou menores de acordo com a necessidade. Por exemplo, o briefing inicial previa três alas pequenas, mas agora duas maiores ocupam o mesmo espaço.

Os 59 apartamentos ocupam quatro andares acima das utilidades públicas. Apesar do desenho destes ser menos inovador do que outras partes do empreendimento, há a vantagem de haver um pouco de flexibilidade no layout.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

O mais caro do mundo/The world's most expensive

Foi inaugurado nesta quinta-feira (20/01) em Londres o condomínio residencial mais caro do mundo. Batizado de One Hyde Park, ele é formado por 86 apartamentos cujos preços podem chegar a R$ 374 milhões. O metro quadrado do empreendimento desenvolvido pela Candy & Candy custa, em média, R$ 171 mil.

Um apartamento mais simples do condomínio, com apenas um quarto, foi vendido por R$ 17,5 milhões. O mais caro, de R$ 374 milhões, foi a cobertura, com 2,7 mil metros quadrados de área útil. Os 86 apartamentos estão distribuídos em quatro prédios.

O One Hyde Park está localizado no coração do bairro de Knightsbridge, uma das áreas mais nobres de Londres, nas redondezas de lojas como Harrods e Harvey Nichols e do Hyde Park, um dos mais famosos da cidade.

O empreendimento terá butiques no andar térreo, incluindo uma loja da fabricante de automóveis exclusivos McLaren, que deve expor, inclusive, uma seleção de seus carros de Fórmula 1. Outra loja já confirmada no estabelecimento é da fabricante de relógios Rolex.

Os moradores terão à disposição uma área de lazer que conta com piscina, sauna e um cinema privativo. Eles também terão acesso aos serviços 24 horas do hotel Mandarin Oriental, onde o famoso chef Heston Blumenthal deve abrir seu primeiro restaurante em Londres.

Os moradores do One Hyde Park teriam ainda segurança garantida . O apartamento mais caro conta com janelas à prova de bala e uma "sala do pânico" onde os proprietários podem se esconder em caso de roubo e tentativa de sequestro.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

SÃO PAULO: CIDADE DO (CITY OF) SAMBA

As escolas de samba de São Paulo estão mais próximas de realizar o sonho antigo de ter um espaço seguro para a produção das alegorias e fantasias do Carnaval. A construção do Fábricas de Sonhos, um local reivindicado há cerca de vinte anos pelas agremiações paulistanas, deve começar até o fim deste mês. A previsão de término é agosto de 2012. O projeto é inspirado na Cidade do Samba do Rio de Janeiro.
Serão construídos 14 barracões para as escolas do Grupo Especial em uma estrutura de 77 mil metros quadrados, próximo ao Sambódromo. De acordo com o presidente da Liga das Escolas de Samba de São Paulo, Paulo Sérgio Ferreira, a destruição de carros alegóricos no transporte até o sambódromo e a perda de material com inundações de galpões, provocadas pelas chuvas, causam enormes prejuízos às agremiações. “O sufoco que a gente passa é muito grande. O projeto é um desejo de todas as escolas e agora ele vai sair do papel e se tornar realidade”, disse.

Para o carnavalesco Fábio Borges, da Unidos de Vila Maria, o Fábricas de Sonhos vai proporcionar as mesmas condições de trabalho a todas as escolas. A presidente da Mocidade Alegre, Solange Cruz, também elogia a iniciativa já que o seu barracão fica em uma área de enchentes. “Trabalhamos o ano todo para o desfile, geramos empregos e não queremos perdas. Esta obra vai ser a evolução do nosso Carnaval”, afirmou.

A Pérola Negra é uma das escolas que mais sofre com as enchentes. Só neste ano, durante o temporal que atingiu a capital paulista no último dia 11, o prejuízo foi de R$ 20 mil com perda de alegorias e fantasias. O barracão da escola fica sob o Viaduto Mofarrej, próximo à Ceagesp. De acordo com o diretor de marketing da Pérola, Jairo Roizen, todo carnaval é o mesmo transtorno. “Para nós será uma benção. Sofremos muito, principalmente um mês antes que antecede o desfile quando os materiais já estão prontos no barracão”, disse.

O “Fábricas de Sonhos” também será considerado um novo pólo turístico da cidade de São Paulo. De acordo com a São Paulo Turismo, em algumas épocas os barracões estarão abertos aos turistas que poderão conhecer mais sobre a produção das alegorias e o funcionamento do Carnaval. Passistas, baianas, mestres-salas e porta-bandeiras farão a recepção dos turistas. Além da construção dos barracões para as escolas do Grupo Especial e o Barracão Escola, que será a sede administrativa, o local contará ainda com uma arena central para eventos e exposições.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Prédio rouba sol - Building steals sun

Os prédios altos se tornaram os vilões do verão na orla de um dos destinos turísticos mais procurados do litoral de Santa Catarina, em Balneário Camboriú.
Os edifícios fazem sombra na praia a partir das 14h, "roubando" até seis horas de sol dos turistas no horário de verão, as praias costumam ficar cheias até as 20h.
Segundo o presidente do sindicato da construção civil do município, Carlos Haacke, os espigões começaram a surgir na década de 80.
A preocupação foi não construir um prédio "colado" ao outro, acabando com a ventilação da orla. Para compensar perdas com trechos vazios, investiu-se em prédios altos, com mais apartamentos.
Não há limite de altura para os prédios da orla, de acordo com a prefeitura. O secretário de Planejamento do município, Auri Pavoni, disse que não adianta colocar um limite agora, já que restam poucos terrenos disponíveis.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

ALTO PADRÃO - HIGH STANDARD

Entre as badaladas praias de Florianópolis e Camboriú, em Santa Catarina, uma antiga aldeia de pescadores vem atraindo a atenção de investidores e visitantes. Com apenas 13 mil habitantes, o município de Governador Celso Ramos, também conhecido como “Ganchos”, está na rota do turismo de luxo do Brasil.
Até 2016, pelo menos seis empreendimentos de alto padrão - entre eles resorts, condomínios residenciais e aeronáutico, uma marina e até um hospital - vão se instalar na região e devem injetar na cidade aproximadamente R$ 4 bilhões.
“São 100 km² de área preservada, com 30 praias calmas, de águas cristalinas e mornas, juntamente com nossa política de desenvolvimento e modo de viver - herdado da cultura açoriana -, além de toda a privacidade e sossego da região que vem atraindo investidores e visitantes”, afirma o prefeito Anísio Soares.
Não são apenas investidores brasileiros que estão de olho em Governador Celso Ramos. Espanhóis e ingleses também viram a possibilidade de expandir seus negócios em solo brasileiro. Um deles é a Quinta dos Ganchos, apontado pelo prefeito da cidade, Anísio Soares, como o maior e mais caro empreendimento da região.Com investimento previsto de R$ 2,5 bilhões, ocupará uma área de 1,2 mil hectares, que terá marina para 700 embarcações, quatro campos de golf, centro hípico, clube de tênis com quadras de squash e paddle, piscinas e salas de ginástica. Quatro hotéis de alto padrão, spa e hospital também fazem parte do projeto residencial.
Com tantos investimentos na região a valorização dos terrenos foi uma conseqüência natural. Nos últimos cinco anos, os corretores locais têm notado um incremento anual de, em média, 15% no valor do metro quadrado.“Hoje, aqui em Governador Celso Ramos, é possível encontrar terrenos que vão de R$ 80 mil a R$ 500 mil, dependendo de quão próximo está da praia”, afirma Maristela Rushel, proprietária da corretora de imóveis que leva seu nome.

domingo, 16 de janeiro de 2011

Pensamento da semana - Thought of the week

Nem tudo o que dá certo é certo.

Not everything goes right is right.

sábado, 15 de janeiro de 2011

Biblioteca reinaugurada - Library reopened

A Biblioteca Mário de Andrade será reaberta integralmente à população de São Paulo em 25 de janeiro, aniversário da cidade, com muito motivo para festa.
O prédio, joia do art déco paulistano, foi reformado e modernizado e artefatos originais, restaurados.
O plano original previa uma área externa ligando a biblioteca à praça Dom José Gaspar, nos fundos, a eliminação das grades que rodeiam o prédio e a instalação de um espelho d'água, que manteria o visitante afastado do edifício sem precisar cercá-lo.

No meio do caminho, todos esses elementos foram vetados, parte pela Secretaria Municipal de Cultura, que administra a instituição, parte pelo Conpresp, órgão de preservação do patrimônio da cidade. E as grades estão mantidas --tiveram apenas a altura reduzida.
A reforma custou R$ 16,3 milhões e teve financiamento do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), com contrapartida da prefeitura de São Paulo, via secretaria de Cultura.
Mais R$ 500,9 mil foram gastos na revitalização da praça Dom José Gaspar, onde os mendigos convivem com estátuas de escritores, como Dante e Goethe, e um busto de Mário de Andrade.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Bilionário brasileiro compra prédio em rua chique de Nova York
Brazilian billionaire shopping street of upscale building in New York
O banqueiro brasileiro Joseph Safra foi responsável por um dos maiores negócios do mercado imobiliário americano em 2010. Em dezembro, o bilionário pagou US$ 285 milhões por um edifício comercial numa das ruas mais chiques de Nova York, a Madison Ave. Com 23 andares e 23,7 mil metros quadrados de área útil, o prédio fechou o ano passado como o metro quadrado mais caro do País: US$ 12 mil.
O prédio é um dos mais badalados de Nova York. No térreo, abriga a Barneys New York, rede de lojas de departamento de luxo, mas que não entrou no negócio. Os andares são ocupados por empresas de private equity, como a Colony Capital LCC e a Lexington Partners Inc. De acordo com a imobiliária americana CoStar, o edifício tem taxa de ocupação de 86% e, depois do negócio, a expectativa é de que o metro quadrado do aluguel passe dos US$ 1 mil.
Safra é um dos homens mais ricos do Brasil. De acordo com a lista de bilionários da Forbes divulgada em 2010, sua fortuna pessoal está avaliada em US$ 10 bilhões. Fica atrás dos empresários Eike Batista e Jorge Paulo Lehmann.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...